Consumismo e prioridades: menos é mais?

Apesar de vivermos em uma sociedade capitalista estamos presenciando movimentos de pessoas que se propõe a consumir menos, a gastar menos com coisas que consideram não ser prioridade em suas vidas.

Na Netflix o documentário Minimalista traz a discussão: pessoas que acreditam que bens materiais não trazem felicidade são entrevistadas e contam sobre suas experiências.

Quem não se lembra da participante do Master Chef Caroline Martins, que foi criticada nas redes sociais por aparentar e realmente usar as mesmas roupas durante o reality. E ainda, na onda do NÃO CONSUMISMO, o canal Home&Health também estreou, no ano passado, uma atração chamada “Menos é Demais”, que mostra como podemos viver com cada vez menos e reforça, como é uma tendência a questão “minimalista”.

Mas, em contrapartida, também acompanhamos vídeos de blogueiras mostrando seus closets enormes e com inúmeras variedades de bolsas e sapatos e qualquer item que nem sequer imaginamos.

A pergunta que eu sempre faço para cada um é: Qual é a sua prioridade?

Como coach eu não posso dizer para o meu cliente “Gaste com isso” ou “Não gaste com aquilo”. Mas, é minha tarefa descobrir qual é a prioridade dele na hora de utilizar seus recursos. Além disso, o que é muito importante para mim pode não ser tão importante para ele. Vamos dar um exemplo?

Tenho um cliente que estava tentando rever a utilização do seu dinheiro e considerou parar de trocar seu carro a cada dois anos. Porém com uma investigação mais profunda, entendemos que o esforço de trabalho que ele fazia, o dinheiro que ele ganhava, era destinado para trocar o carro a cada dois anos. Então, não tinha muito sentido fazer com que ele economizasse dinheiro para viajar, se isso não iria faze-lo feliz.

Muitas vezes, o consumo em excesso, pode vim da nossa relação que temos com as redes sociais, onde, frequentemente, as pessoas estão compartilhando coisas boas, que fazem ou compram e nos sentimos diminuídos porque não estamos fazendo também. Acabamos cedendo aos pequenos prazeres do dia a dia como comprar uma roupa nova por acreditarmos que ela vai fazer com que a gente se sinta bem.

Por isso essa nova “onda” se torna tão importante: o NÃO CONSUMISMO valoriza o autoconhecimento, de você saber realmente porque está comprando. E também permite que você escolha realizar aquilo que se propôs, que pare de deixar que as urgências do dia a dia se se tornem rotina.

Sou dono do meu negócio e desempenho todas as funções, como agir?

No meu dia a dia é comum ouvir de empresários sobre todas as tarefas que eles devem desempenhar durante seu dia de trabalho. E muitos, se perdem no caminho.

O empreendedor necessita cada vez mais “equilibrar vários pratinhos”, e conseguir atender a todas as demandas que a empresa precisa, não quer dizer que você terá que ser especialista em atividades que não tenham nada a ver com a sua área de atuação.

Um exemplo extremo e bem atual são os executivos de startups e de companhias que estão iniciando operações no país, lugares em que o negócio ainda não foi estruturado em torno de processos e áreas. Nesse caso, o proprietário acaba assumindo funções diversas, como por exemplo tomar decisões estratégicas enquanto sai para escolher a mobília do novo escritório.

E mais uma vez, a minha dica mais do que fundamental é o PLANEJAMENTO. Por exemplo, pagar as contas todo dia 20, fazer acompanhamento de clientes às segundas-feiras, planejamento às quartas, e assim por diante.

Além disso é preciso utilizar uma ferramenta em que se possa confiar, como um caderno, uma agenda, algum meio eletrônico, ou uma planilha, assim você não perde nenhuma das suas obrigações de vista.

Empresária do setor de arquitetura fala sobre sucesso nos negócios, família e projeções

Seguindo com as entrevistas com grandes empresários da nossa região, nesta terça-feira, fui bater um papo com a empresária Mônica Midorikawa, que ao lado do marido Marcelo e do cunhado, Marcos Midorikara, administra a loja de revestimentos de alto padrão mais tradicional da cidade, a Portobello Shop.

Formada em fisioterapia, Mônica deixou de lado a profissão para se dedicar ao mundo dos negócios ligados à construção civil. De pulso firme, ela é bem esclarecida. No bate papo, que rolou no novo showroom – que inclusive abre as novas instalações hoje à noite durante um coquetel para convidados – ela me contou sobre sua transição na carreira, desafios, trabalho, família e o mercado de construção civil, que mostra crescimento e anima os empresários do segmento.

Confira o bate papo:

Abandonar uma profissão para seguir em outra, nem sempre é tarefa fácil. Como foi sair da área da saúde para administração de uma grande marca na construção?

Foi uma etapa difícil na minha vida. Eu procurei um especialista, um coach comportamental para me ajudar a compreender como eu deveria me portar e me posicionar nesse novo ambiente de trabalho. Depois de dez sessões, percebi que, com determinação e foco tudo fica mais fácil. É preciso buscar por um profissional qualificado que abra sua cabeça para possibilidade.

 

Como é estar no comando de uma empresa familiar? Me conte como se organizam?

Por ser uma empresa familiar, o planejamento e um organograma são muito bem  estabelecidos para que não haja atritos e que os problemas profissionais do dia a dia não interfiram na nossa vida pessoal. Trabalhamos no mesmo negócio, mas não exatamente juntos. Cada um de nós cuida e é responsável por diferentes setores. Nos falamos durante o dia e se precisamos, dialogamos pessoalmente.

E dentro de casa, Mônica, como você age, leva trabalho para sua casa?

Da minha parte, procuro evitar falar do serviço em casa, pois prefiro começar de novo no dia seguinte. Mas há dias que é difícil não falar sobre os negócios porque nessa hora estamos reunidos, Marcelo e Marcos e eu. Mas é sempre de uma forma positiva.

Vocês tem projeções otimistas para os próximos meses, não é mesmo?

Neste primeiro trimestre a procura pelos nossos produtos cresceu 70%. Estamos otimistas sim para os próximos meses, pois o volume dos atendimentos e orçamentos realizados só crescem. O crescimento das nossas vendas se concentra principalmente no setor residencial, em reformas e pequenas obras. A crescente preferência dos consumidores em relação ao uso de produtos práticos, sofisticados e de fácil instalação, são alguns dos vários motivos desse crescimento.

Você é o piloto de seus negócios?

Que tal embarcar numa viagem e descobrir se você realmente está preparado para decolar? Foi em um comparativo entre planejar uma viagem e empreender no seu próprio negócio, que tracei algumas ações fundamentais para você ser o piloto da sua empresa. Confira:

 

Escolhendo o roteiro:

Planejar uma viagem é estar aberto ao novo e as redescobertas. Quando planejamos um roteiro, estamos na ansiedade de explorar o desconhecido. E mal sabe esse viajante, que na hora de empreender a sensação é parecida. Segundo a especialista, empreender nada mais é do que se arriscar no escuro e ir mesmo sem saber se vai dar certo. Neste primeiro momento, escolhemos qual caminho irá ser tomado, e qual mercado vamos empreender para planejarmos o nosso próximo passo.

 

Planejando a viagem:

Tudo começa com um desejo, um planejamento, uma visualização do quão bom será trilhar esse novo caminho. Daí começam as pesquisas de mercado, de produto, de serviço e concorrência. É nessa hora também que você analisa o orçamento e verifica para aonde você consegue viajar ou se precisa se organizar mais um pouco para ir onde você realmente quer. Fazer um plano de negócios, analisar o mercado são ferramentas úteis para iniciar esse processo.

 

Afivelando as malas:

Chegou a hora de arrumar as malas e colocar na bagagem tudo o que você precisa para seguir o novo caminho. Essa é provavelmente a hora em que o frio na barriga aumenta, afinal, como saber o que você vai realmente precisar nessa viagem? Nesta fase é comum procurar por ajuda de amigos e conhecidos que já estiveram neste roteiro ou empreenderam neste mercado. Mas, é importante lembrar que cada um tem uma experiência única e por mais que você se prepare, cada um tem uma jornada diferente e precisa saber lidar com os problemas que surgiram no trajeto.

 

Hora da decolagem:

Nesta hora onde o avião decola e a empresa finalmente sai do papel, é hora de se preparar para as turbulências, afinal, agora você é o piloto do seu negócio. O horário comercial nem sempre segue à risca e muitas vezes é preciso abdicar de hábitos rotineiros para que o voo seja de qualidade. Sempre lembro aos novos empresários que é preciso saber identificar o que é urgente para o crescimento da empresa, e o que é menos importante. O ideal agora é focar todos os esforços para a empresa decolar e poder planar com sucesso por longos anos.

 

Mais do que um piloto:

A essa altura o empreendedor percebeu que ele precisa ser muito mais do que um piloto. Ele precisa saber e entender de áreas que antes não eram responsabilidade dele e precisa, ainda, gerenciar e dividir seu tempo para conseguir dar conta. É neste momento que muitos empreendedores se perdem no percurso, pois não conseguem distinguir e realizar aquelas tarefas que farão a diferença no futuro da empresa e no alcance dos objetivos que estabeleceu lá no começo do roteiro.

Obrigada!

Como driblar a tensão em tempos de crise

2018 chegou, mas a situação do país continua delicada quando falamos sobre economia. E nesse turbilhão de mudanças constantes, principalmente no cenário político, o estresse para muitos empresários é cada vez maior e tem se tornado um grande problema. As pessoas estão cada vez mais temerosas quanto ao futuro do próprio negócio  e por isso vou listar algumas dicas que te ajudarão a driblar a negatividade e tomar atitudes realmente efetivas para o seu negócio.

 

Tome consciência do que é realidade e relevante para você. As notícias podem ser ruins, mas se concentrar apenas nisso não fará com que você tenha melhores resultados. Saiba filtrar e transformar o conhecimento e a informação em aliadas da sua empresa.

 

Tenha criatividade. A crise proporciona várias oportunidades de fazer mais com menos e ressalta as verdadeiras necessidades dos seus clientes. Faça um desafio consigo mesmo e descubra novas maneiras de vender o seu produto ou como você pode ter mais lucro com aquilo que você já oferece. Que tal aproveitar esse momento e buscar soluções diferentes e inovadoras para oferecer aos seus clientes?

 

Tome uma atitude. Não adianta ficar só no papel, planejar e executar é o mais importante. Não se deixe perder no emaranhado de obrigações e coloque o que é prioridade no topo da sua lista. Você provavelmente já sabe como é fácil se perder e deixar que os dias e semanas passem sem que você consiga fazer tudo o que precisa, mas será que você está pensando no que é mais importante. Saia da sua zona de conforto não deixe que os dias, semanas e meses passem sem que você faça o que precisa ser feito.

 

Busque parcerias. O momento é de se ajudar. Descobrir empresas que podem auxiliar no seu negócio, fazer parcerias “ganha-ganha” é uma saída encontrada por muitos empresários que se recusam a ficar parados.

Procure apoio. Ficar em casa curtindo os problemas não tem nada de produtivo. Converse com outros empresários, com concorrentes, conheça pessoas e fuja daquelas conversas que insistem em dizer que o país não tem jeito. Por mais legal que seja ter alguém conversando com a gente e estando tão tenso quanto a gente esse papo não leva ninguém a lugar nenhum. Se cerque de pessoas e de ideias que te fortaleçam e te ajudem a crescer. Converse com a sua família e amigos e você verá que nem tudo é tão assustado quanto você imagina.

Dia da Mulher: entrevistas exclusivas com mulheres que inspiram

O Dia Internacional da Mulher é celebrado no dia 8 de março. A data surgiu no final do século XIX e início do século XX, época em que ocorreu a incorporação da mão de obra feminina, em massa, na indústria e se iniciaram as lutas femininas por melhores condições de vida e de trabalho e também pelo direito ao voto.

E para comemorar a data, durante toda a semana (de 5 a 9 de março) realizarei junto a jornalista Júlia Carvalho, repórter do jornal OVALE, entrevistas exclusivas com as mulheres que inspiram outras mulheres.

Não importa a idade ou a atuação, todas as nossas entrevistadas de alguma forma mostram o poder que a mulher tem na sociedade.

Confira a programação das transmissões ao vivo que faremos de 5 a 9 de março, a partir das 10h na Fanpage do Jornal O Vale:

Dia 5: Rafaela Nogueira – estudante e influencer digital
“Mulheres jovem bem sucedidas no ambiente digital”

Dia 6: Dani Manna – publicitária
“Mulheres no comando de empresas familiares”

Dia 7: Bruna Scarensce – endocrinologista
“A busca das Mulheres por um Estilo de vida saudável através da alimentação”

Dia 8: Mariana Marco – psicóloga especialista em comportamento e alta performance
“Autoconfiança feminina: como a confiança pode ser a chave para o seu desenvolvimento pessoal e profissional”

Dia 9: Ana Aragão – relações públicas
“O desafio da Mulher independente”