Do Havaí direto para São José dos Campos? A onda do poke virou febre no setor da gastronomia

Do Havaí direto para São José dos Campos? A onda do poke virou febre no setor da gastronomia

Na contramão de todas as previsões, apesar da crise que vive o Brasil desde 2013, o mercado de gastronomia vem crescendo no país e gerando oportunidades de negócios. O mercado da alimentação fora do lar, que engloba restaurantes e bares, já se mostrou um dos mais fortes da economia brasileira, e atualmente atrai cada vez mais empreendedores.

E também atraiu o joseense Matheus Caetano, diretor comercial do primeiro restaurante havaiano da cidade, o Oahu Pokeshop, no Jardim Aquarius. Especializados em pokes, prato típico do Havaí que mistura cubos de peixe fresco com arroz estilo gohan, molho de soja, castanhas e até frutas, o point virou febre na cidade.

E já que virou tendência, fui conhecer de perto como surgiu a ideia “havaiana” e porque Matheus investiu neste segmento para empreender. Vem ler:

Vivian Sant’Anna: Você é de São josé? Sempre morou aqui/ O que fazia antes?

Sou nascido e criado em São José dos Campos. Aos 20 anos de idade fui morar fora da cidade, onde fui cursar a graduação em Engenharia Civil pela Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá – FEG/UNESP. Antes do restaurante eu já trabalhava como engenheiro na construtora da minha família, local onde continuo atuando em paralelo com o restaurante.

Vivian Sant’Anna: Como surgiu ideia de abrir um restaurante havaiano?

A ideia de abrir o restaurante surgiu através de um canal de empreendedorismo que sou grande apreciador desde quando era criança. Eu sempre gostei de acompanhar esse portal e apreciar as inúmeras ideias de sucesso de negócios que os brasileiros desenvolvem em todo o país. Na ocasião, a matéria era a respeito do Poke, que já vinha como forte tendência nos Estados Unidos e também ganhando força em São Paulo. Como sou grande apreciador da culinária japonesa e o poke se assemelha bastante a ela, vi um grande potencial no negócio e como os negócios de comida saudável vem ganhando cada vez mais força no mundo todo, achei que era a hora de apostar. Inicialmente falei da ideia para meu amigo Victor que desde o primeiro momento embarcou nessa comigo. Logo na sequência agregamos nosso amigo Rodrigo, que também abraçou a ideia conosco desde o início. E por fim, nossos amigos Filippo e Artur entraram conosco nessa.

Vivian Sant’Anna: Como foi a preparação para abrir esse restaurante. Quais foram as dificuldades, as expectativas, escolha do local?  

Começamos a nos reunir para pautar o nosso modelo de negócio. Inicialmente precisávamos encontrar um ponto que atendesse as nossas expectativas e desde o inicio essa tarefa não foi fácil, demoramos alguns meses para conseguir encontrar o local ideal. Após definido o local, teríamos que nos preocupar com todo o desenvolvimento do negócio e fazer o planejamento adequado para que tudo saísse conforme o planejado. Tínhamos que nos preocupar com a concepção do projeto, toda a parte de execução de obras, compra de equipamentos, móveis, decoração, contratação de equipe, treinamento e definição de fornecedores.

Em nenhum momento foi fácil e já sabíamos disso desde o inicio. Nunca é fácil abrir um negócio novo, mas sempre tive confiança plena nos meus sócios e amigos e sabia que com todo o potencial que temos poderíamos chegar onde quiséssemos.

As expectativas sempre as melhores possíveis e desde o primeiro dia de abertura de casa a aceitação de nossos clientes foi ótima.

Vivian Sant’Anna: Qual é o diferencial do restaurante?

O diferencial de nosso restaurante é trabalhar sempre com produtos frescos da mais alta qualidade, oferecer um atendimento de primeira e um ambiente agradável onde possamos proporcionar uma experiência inigualável para nossos clientes.

Vivian Sant’Anna: Qual você acredita que foi a melhor ferramenta de divulgação utilizada pelo seu negócio?

Acredito que todas as ferramentas de divulgação são importantes. Atualmente as redes sociais são ótimas ferramentas, pois a maioria das pessoas fazem uso e conseguimos atingir um grande público através dela. Mas, também acredito que a indicação de clientes que tiveram uma boa experiência seja uma forte ferramenta de divulgação.

Atendimento é a alma do negócio: 7 dicas para deixar seu atendimento espetacular

Trabalho por conta própria há quase 5 anos e antes disso meu trabalho envolvia, principalmente, o atendimento ao público. E por mais que conversemos sempre sobre produtividade, estratégias e tudo mais, nada disso importa se  o seu negócio não tiver um ótimo atendimento.

Infelizmente, quando um empreendedor abre um negócio próprio ou até mesmo uma franquia ele não imagina que o funcionário que irá operar na linha de frente na verdade será o grande responsável pela impressão que o cliente terá da empresa dele.

Por isso investir em treinamento e planejar para que ele seja cada vez mais padronizado é essencial. Por isso hoje eu vou listar 10 dicas importantes para que você não escorregue nessa disciplina:

  1. Mostre que se importa. O cliente vem até você porque deseja resolver um problema e as pessoas gostam de ser ouvidas e compreendidas. Seja pessoalmente, por telefone ou WhatsApp dê espaço para que o cliente mostre sua necessidade.
  2. Não demore! Não estamos falando aqui que você deve ficar online o dia inteiro, mas principalmente em lojas físicas é muito incômodo chegar e perceber que quem deveria nos atender está batendo papo, mexendo nas redes sociais ou simplesmente não está nem aí para nossa presença.
  3. Não demore II. Já nos meios online as notificações são tantas que não é difícil perder um cliente de vista. Tenha marcadores, lembretes e acompanhe a jornada de compra do seu cliente. Se ele pediu que você ligasse na terça-feira comprometesse com essa data e o retorne.
  4. Cuidado com o tom. O que a gente fala e o que as pessoas entendem são coisas bem diferentes e os ruídos na comunicação são frequentes. Preste atenção ao tom de voz utilizado e nas informações por escrito. Leia tudo como se estivesse bravo ou nervoso. Assim você previne que seu cliente entenda de maneira errada.
  5. Padronize. Se você tem uma empresa com diversos colaboradores ou se tem mais pessoas que vão se relacionar com os clientes estabeleça regras claras de atendimento. Quais são as práticas não negociáveis que todos devem ter no trato com os clientes? Crie meios de acompanhar se essas práticas estão sendo executadas frequentemente e corretamente.
  6. Saiba resolver quando tudo der errado. Se apesar de tudo isso você ainda tiver problemas de atendimento saiba se desculpar e resolver esses problemas. Pesquise, treine e descubra qual será o procedimento da sua empresa para resolver situações problemas.
  7. Mantenha classe! Com o aumento da utilização da redes sociais é comum que os clientes utilizem a internet para reclamar de uma empresa. Monitore e responda esses casos, entenda o problema e não entre em discussões desnecessárias com o seu cliente. Responda com o intuito de resolver o problema e não tome como uma ofensa pessoal.

Dica bônus! Treine, Treine e Treine! Nada é óbvio! Cada pessoa, tem uma carga, uma experiência diferente da sua, então fornecer todas as  informações do que é certo e o que é errado na sua empresa é fundamental. Além disso deve haver um treinamento constante para garantir que o atendimento continue sendo realizado da maneira que você deseja.

Você entende de gestão jurídica?

Gerir uma empresa não é tarefa fácil, seja ela de pequeno, médio ou grande porte. Claro, que cada uma tem sua particularidade, porém os problemas jurídicos sempre podem aparecer.

E para aqueles que querem se precaver de problemas ainda maiores a gestão jurídica é essencial para alcançar o sucesso. E em tempos de crise ela se torna ainda mais necessária. Por exemplo, nas ações de recuperação de crédito, a reestruturação do negócio, a novação das dívidas, estratégias como recuperação judicial, compliance, contratos, admissão e demissão de funcionários, e tantas outras questões que demandam um profissional da área jurídica e que trazem grandes benefícios à empresa.

Como coach, vejo que as empresas devem olhar para a assessoria jurídica não como um custo, mas como um investimento e blindagem do patrimônio empresarial seja ele físico ou incorpóreo. E mais, é preciso saber dos nossos direitos jurídicos como cidadão para poder entender melhor como podemos gerir juridicamente nosso negócio.

Para entender melhor o assunto e falar sobre os nossos direitos, bati um papo com a advogada e sócia-proprietária da Torres & Torres, Viviane Torres. Confira:

 

Vivian Sant’Anna: Você acha que a população em geral desconhece seus direitos jurídicos?

Sim. O Brasil é um país de muitas leis e apesar do Princípio Geral do Direito ser “ninguém pode alegar desconhecimento” é impossível ter ciência macro do que se pode ou não fazer. A população possui pouca informação de seus direitos e as leis de proteção dos cidadãos é muito vasta, a exemplo da saúde, consumidor e auxílios. Infelizmente poucos sabem, seja qual for a necessidade, como por exemplo, é direito de todo brasileiro viajar gratuitamente em voos da Força Aérea Brasileira, basta consultar as regras. Direitos humanos é direito de todos. Este cenário poderia mudar se houvesse uma disciplina obrigatória nas escolas a respeito dos direitos e deveres dos cidadãos.

 

Vivian Sant’Anna: Quais são os assuntos pelos quais as empresas ou empresários mais procuram o serviço de vocês? 

O setor empresarial apresenta uma gama imensa de necessidades jurídicas, no entanto destacamos as necessidades de assessoria nas questões societárias, tributárias e de uns tempos para cá, houve um enorme crescimento na procura de soluções para enfrentamento da crise econômica.

  

Vivian Sant’Anna: Como os advogados podem auxiliar as empresas na prevenção de problemas?

Qualquer empresa com perfil preventivo adquire grandes resultados quando possui amparo jurídico. O trabalho preventivo pode estar diretamente ligado à parte tributária, societária, contratual e trabalhista da empresa, até mesmo na gestão, evitando assim maiores ônus.

 

Vivian Sant’Anna: Agora conversando um pouco sobre a profissão de advogado: O Brasil e terceiro país no mundo com o maior número de advogados ao que você acha que se deve essa expressividade? 

Em 2016 a OAB informou que havia mais de um milhão de advogados no Brasil, e logicamente hoje este número é maior. Devemos considerar que no país existe um número expressivo de faculdades de direito, estando o Brasil no topo do ranking mundial. Profissionalmente falando, entendemos que essa expressividade se deve ao fato de que, o diploma de advogado aparenta representar uma oportunidade de exercer bons cargos, independente da atuação na advocacia propriamente dita.

 

Vivian Sant’Anna: Para finalizar, quais os conselhos daria para que a população se sinta mais protegida juridicamente?

Está muito clara a descrença da população tanto no âmbito jurídico como no judiciário. Os acontecimentos de clamor público por um tempo apresentam uma segurança e posteriormente isso é invertido. Acredito que não seja possível que haja uma determinação do que é considerado justo pelas pessoas, sendo que muitos acabam, inclusive, fazendo justiça com as próprias mãos. Mas, a lei, principalmente a Constituição Federal é valida para todos sem exceção.

Empreendedorismo jovem cresce como opção de carreira


Abrir o próprio negócio tem se tornado uma opção de carreira cada vez mais cedo. Segundo a Conaje (Confederação Nacional dos Jovens Empresários), o empreendedorismo jovem cresceu muito na última década, mesmo com todas as dificuldades que o país enfrenta.

 

No início do mês palestrei para esses jovens, que ainda estão na faculdade, sobre “Empreendedorismo: O caminho para iniciar ou como manter seu negócio!” e percebi que a procura pelo empreendedorismo é grande, mas eles têm muitas dúvidas sobre como começar. Além disso a sensação de insegurança ao ter o próprio negócio também é um desafio para eles.

E para ir mais afundo sobre o assunto fui descobrir se é possível identificar características empreendedoras ainda na infância ou adolescência. E para isso conversei com a psicóloga Simone Januário, que me contou que é possível, através da orientação vocacional, descobrir se aquele estudante preste a prestar o vestibular ou já formado terá aptidão para chefiar o próprio negócio. Confira:

Vivian Sant’Anna: O que é orientação vocacional?

Orientação vocacional ou orientação profissional é o processo em que o jovem conhece melhor suas características de personalidade, interesses, habilidades e desejos. A partir destes dados, com auxílio de um profissional capacitado, será feita a escolha de um curso que abrirá portas para sua carreira profissional.

Vivian Sant’Anna: Como a orientação vocacional mostra que os adolescentes têm traços empreendedores? E quais são essas características?
A partir de um estudo da personalidade, levantando dados sobre a história da pessoa, suas experiências, julgamentos em relação a si mesmo e a aplicação de teste de personalidade. São muitas as características empreendedoras, criatividade, iniciativa, pensamento estratégico, perseverança, são algumas delas.

Vivian Sant’Anna: Há uma idade indicada no qual as características empreendedoras podem ser melhores trabalhadas?

Desde que uma criança é imaginada por uma família existem expectativas, ideias e um ambiente esperando por ela. O conjunto de características físicas, genéticas, ambiente e experiências formam a personalidade de uma pessoa. Portanto, podemos incentivar o desenvolvimento de características empreendedoras desde a infância. A partir da adolescência o próprio jovem pode refletir e escolher quais as características que gostaria de desenvolver.

Vivian Sant’Anna: É possível desenvolver características empreendedoras? Se sim, como?

Sim, podemos desenvolver algumas características empreendedoras. Para isso, é necessário que a pessoa se sinta realmente motivada e disposta a enfrentar os desafios que esse desenvolvimento vai requerer. Mais importante que tentar se moldar a uma demanda de características, é saber porque está almejando tal situação. Em algumas situações é importante recorrer a um psicólogo, da área clínica ou carreiras.

Vivian Sant’Anna: Os jovens que querem ser empreendedores e atuar no próprio negócio, quais dicas daria para eles?

Não basta querer trabalhar no próprio negócio, é preciso entender o que se tem a oferecer ao mercado e oferecer o melhor ao público definido.Planejamento, coragem, criatividade, trabalho e perseverança, são fundamentais.

Poupar dinheiro: consórcio pode ser boa escolha

Poupar dinheiro sempre é uma questão a se pensar. Com tantos gastos e salários que muitas vezes são baixos, reservar aquela quantia para comprar um imóvel ou trocar de carro fica cada vez mais no imaginário. Mas, como coach digo sempre: há solução! Além de um bom planejamento financeiro e controle dos gastos, no mercado você encontra opções para guardar dinheiro, poupando pouco por mês, é o caso dos consórcios.

 

Bati um papo com a corretora de seguros e diretora executiva da Life Premium Seguros, de Caçapava, Juliana Barros e ela explicou melhor como funciona os consórcios, e que é possível pagar parcelas mensais de acordo com o seu bolso.

 

Vivian Sant’Anna: O consórcio é uma boa opção para quem quer poupar dinheiro para comprar um carro ou uma casa. Porque?

O consórcio é uma excelente opção para quem quer comprar um carro ou casa de forma planejada, com ele você adquire seu bem sem juros e com prazos flexíveis.

O consórcio serve apenas para aquisição, com ele podemos poupar dinheiro e rentabilizar. Quando investimos de maneira convencional o rendimento é sobre o valor que dispomos, no consórcio podemos potencializar.

 

Vivian Sant’Anna: E como é feito?

Você adquire uma carta crédito de 80mil  para pagamento mensal de R$273,36, pagando em dia, participa dos sorteios mensais, mesmo que não tenha nenhum lance para ofertar tem muita chance de ser contemplado. Os participantes que participaram do sorteio são os que pagam em dia, com essa regra já eliminamos 30 a 40%  dos participantes.

Contando que o consórcio contemple uma média de 3 a 4 participantes mensal, em 10 anos já teremos 420 participantes de um total de 600, sem considerar os que não estará aptos.

 

Vivian Sant’Anna: E o que acontece depois?

Após a contemplação, o pagamento mensal continua,  porém o valor da carta fica disponível. Se o caso é investimento e não utilização, a Administradora automaticamente após contemplação fará uma aplicação do valor total da carta vinculado ao CPF do contratante. Com isso o cliente passa a ter rendimento de um valor que ainda não possui, rentabilizando muito mais, pois se guardasse os mesmos R$273,36 em 10 anos não teria esse montante.

 

Vivian Sant’Anna: É verdade que no consórcio não tem juros?

Sim, Consórcio não tem juros. É cobrado apenas uma taxa para administração do contrato,  em torno de 16 a 21%.

Vivian Sant’Anna: Quais os tipos de consórcios hoje em dia? E como eles beneficiam o “cliente”?

Temos Consórcio imóveis e Automóveis. Imóveis: consórcio para comprar casa, apartamento, terreno, imóvel habitual ou veraneio, reformar ou construir.

Automóveis: comprar carro, moto, caminhão. Beneficiam com a compra planejada, pagamento sem juros, prazos excelentes e utilização do FGTS como lance.

 

Vivian Sant’Anna: Hoje a procura pelos consórcios na Life Premium é grande? Qual o benefício mais atrativo que faz o cliente escolher essa opção?

Sim, os clientes estão cada vez mais preocupados em poupar ou investir, devido a situação futura e incerta que vivemos em nosso pais. E essa escolha é uma ótima opção para um futuro mais tranquilo. Os benefícios é a realização de sonhos que cabem no seu bolso.

 

Vivian Sant’Anna: Como funciona os lances e como eles podem ser pagos?

 

O consórcio tem várias opções de lance:

Lance embutido: Cliente pode utilizar até 30% do valor da carta para utilizar como lance.

Lance Fixo: Cliente pode concorrer com um grupo ofertando um valor de lance menor.

Lance Retido: Cliente poderá ofertar o valor do seu veículo como lance, e terá um prazo de até 60 dias para efetivar a venda do mesmo.

 

Vivian Sant’Anna: Qual a faixa etária que mais se interessa pelos consórcios na Life Premium?

 

A faixa etária entre 25 a 50 anos.

 

5 Livros que podem mudar sua vida

Austin Kleon – Roube como um artista

Esse livro modificou a maneira como eu enxergo a criatividade. Ele te ensina de forma prática a como pensar criativamente  e transformar ideias que já existem.

 

 

Fora de série – Malcolm Gladwell

O que torna algumas pessoas capazes de atingir um sucesso tão extraordinário a ponto de serem chamadas de “fora de série”? Nesse livro o autor mostra que o sucesso dessas pessoas não se deve exclusivamente ao talento, mas a uma lógica muito particular. Você vai olhar as pessoas com outros olhos depois de ler esse livro!

 

O ano em que eu disse “Sim” – Shonda Rhimes

Pra quem não conhece, Shonda Rhimes é a mente criadora de Grey’s Anatomy, Scandal e How to get away with murder três séries americanas de muito sucesso. Com essa vida toda atribulada ela ouviu da sua irmã: “Você nunca diz sim para nada”. Resolveu então dizer sim para as oportunidades da sua vida. Ela conta de uma maneira muito cativante que faz você também querer dizer sim para várias coisas.

 

A mente organizada –  Daniel J. Levitin

Acordar, tomar banho, café trabalhar, cuidar da casa dos relacionamentos e da vida. Não paramos para pensar o quanto essas atividades do dia a dia sobrecarregam nosso cérebro. Esse livro mostra em vários aspectos como a sobrecarga de informações que exige que tomemos decisões cada vez mais rápidas.

 

Comece pelo mais difícil – 21 maneiras de superar a preguiça e se tornar altamente eficiente e produtivo – Brian Tracy

Mostra como identificar as tarefas críticas – as que você mais tende a adiar e que terão o impacto mais positivo em sua vida – e organizar o seu dia. Você não só fará mais em menos tempo como fará o que realmente importa.

 

 

 

Como seus hobbies podem desenvolver seu espírito empreendedor?

Já parou para pensar como as coisas que você faz para se divertir podem te ajudar a desenvolver habilidade no seu trabalho. Hoje vou citar algumas coisas que você pode fazer para aproveitar seu tempo livre e se desenvolver ao mesmo tempo.

 

Yoga: ter consciência do seu corpo, se concentrar são só alguns dos benefícios  mais conhecidos dessa arte milenar. Além disso essa habilidade ainda de tá flexibilidade e desafia seus limites a cada dia

Cozinhar: Muitas pessoas se dedicam a atividades gastronômicas como passatempo e se sentem muito bem. Cozinhar exige atenção aos detalhes e uma preparação cuidadosa, perfeito para aqueles que pretendem desviar suas mentes das tensões diárias.

Tocar instrumentos musicais: A prática contínua de tocar qualquer instrumento estimula o cérebro a desenvolver novas conexões entre os neurônios, melhorando algumas funções cerebrais, como a memória e a coordenação motora. Estudos também relacionam essa atividade com a queda nos níveis de estresse e melhoria na qualidade de vida.

Xadrez: Sabe quando você tem uma situação difícil e precisa pensar em vários cenários para resolver essa situação? No xadrez isso feito com frequência. Estudar os movimentos possíveis do seu oponente e principalmente os seus é um ótimo treinamento para o planejamento estratégico da sua empresa.

 

Tênis, Natação, Ballet Clássico ou qualquer esporte que se pratique com comprometimento:  Esporte traz disciplina e trabalha o corpo e a mente. Por mais que o seu treino não seja para se tornar um profissional, a meta deve ser sempre ser melhor do que você mesmo. Melhorar o próprio desempenho!

 

Leitura:Quando você lê, você viaja para universos diferentes, conhece novas pessoas e com isso tem novas ideias. A leitura faz com que você exercite a sua imaginação e aplique isso no seu dia a dia.

 

Videogames: Pois é, por incrível que pareça esse é um exemplo que eu tenho em casa. Meu marido joga desde criança e gosta de jogos que tem uma determinada história, tudo em inglês. O resultado: Um inglês de dar inveja!

A importância da comunicação estratégica para as empresas

Investir em comunicação muitas vezes é segundo plano para as empresas, principalmente aquelas que são menores e ainda não possuem um quadro grande de funcionários. Atitude certa? Errada!

Como coach acredito que a comunicação é um dos pilares para uma empresa ter sucesso. Saber dialogar com o seu cliente e principalmente colaboradores é essencial para ter bons resultados e fidelizar clientes e também funcionários.

Para entender melhor o assunto e falar sobre a importância da comunicação estratégica para empresas, conversei com o jornalista Marcelo Oliveira, que é especialista em Gestão Estratégica em Comunicação e Marketing e consultor da InovadoraMente, de Mogi das Cruzes.

Vivian Sant’Anna: Como a comunicação corporativa impacta no sucesso de um empresa?

A Comunicação corporativa impacta diretamente no sucesso de uma empresa principalmente dentro da empresa. Uma coisa que algumas vezes é negligenciada é a imagem que os colaboradores formam da marca com a qual trabalham. O que veem e ouvem durante o expediente dão forma ao que pensam, falam e agem em relação à marca. Não tem como controlar o que dizem ou fazem quando estão em reunião de família ou em um happy hour com amigos, a coisa fogem mais ainda se pensarmos nas redes sociais. Na maioria das vezes é algo inconsciente e involuntário, disparado por algum gatilho. São momentos em que uma futura compra pode ser decidida positiva ou negativamente. Precisamos considerar que hoje, todos dentro da empresa representam, em algum momento, a própria imagem corporativa para um determinado círculo de Pessoas. Imagina… você consumiria um produto ou serviço em que alguém da própria empresa fala mal?

Vivian Sant’Anna: Quais os principais benefícios de uma boa comunicação corporativa?

Considero como o maior benefício de ser ter uma boa Comunicação Corporativa o fato de aprender a falar a mesma língua de quem a marca deseja se relacionar! Acredite, isso faz toda a diferença! Tudo que virá em termos de estratégia empresarial dependerá em grande parte do planejamento de Comunicação.

Se olharmos para o mercado, o planejamento de Comunicação ajuda no posicionamento no mercado, dando relevância à marca, até mesmo social. Em momentos em que a empresa liga a marca à ações sociais, ela expõe características particulares de seus valores e crenças, o que torna mais fácil as pessoas se identificarem com ela. Isso traz benefícios como os embaixadores espontâneos da marca, que fazem propaganda da marca ao seu círculo de amigos, família e até clientes por terem uma percepção forte de valor. Existem outros benefícios, mas considero estes os mais relevantes.

Em relação a dentro de casa, colaboradores engajados se tornam mais produtivos, buscam melhorias contínuas em processos de trabalho e se enxergam a longo prazo dentro da empresa, construindo carreira e se desenvolvendo profissionalmente. Isso tem um impacto muito forte em índices como o absenteísmo e o turn-over, já que por estarem satisfeito com o que fazem, as pessoas evitam se ausentar da empresa desnecessariamente ou de deixá-la por uma proposta mais atraente. Outro fator é que eles também se tornam embaixadores espontâneos da marca, o que é muito importante, afinal de contas você consumiria um produto ou serviço de onde o próprio empregado não considera o melhor?

Pode parecer utópico ter colaboradores pensando assim, mas isso é real e acontece de fato. Já ouviu a frase “Se contrata pelas habilidades e se demite pelos comportamentos”? É como namorar alguém só pela aparência sem levar em conta o conteúdo… e o mercado pensa a mesma coisa a respeito das marcas.

Vivian Sant’Anna: Qual exemplo de uma marca/empresa que pode ser referência na hora de se comunicar com seus colaboradores?

Gosto muito de algumas marcas que possuem um trabalho de Comunicação muito forte como o Fleury, por exemplo. Você vê a Comunicação deles no LinkedIn, por exemplo e pensa “Nossa, eu gostaria de trabalhar ali”! Outra que gosto muito de ver a Comunicação é a ESPM, o trabalho deles é muito bom e entendem bem quem são os seus colaboradores e stakeholders.

Se você quiser uma referência de empresas que se comunicam bem com seus colaboradores só precisa pensar naquelas que você escuta alguém falar de onde trabalha e isso chama a sua atenção!

Não precisa ser uma grande empresa para se tornar referência, basta seus colaboradores falarem que gostam de trabalhar com você! Conheço colegas que trabalham para grandes marcas do mercado, consideradas notáveis e brilhantes, que reclamam da Comunicação feita com os colaboradores. Do outro lado, conheço gente que trabalha em empresas pequenas que adoram o lugar onde passam a maior parte do seu dia!

Vivian Sant’Anna: Dê 4 dicas para aquelas empresas que querem investir mais na comunicação interna. Por onde começar?

1- Pense sempre no seu colaborador em primeiro lugar. É ele que fará o trabalho para produzir o serviço ou produto que o cliente consumirá. É ele que vai ter a maior credibilidade para falar do seu negócio e ele quem estará ao seu lado para fazer a empresa crescer e se fortificar no mercado.

2- Não tenha preguiça de pensar em uma Comunicação que realmente fale com os colaboradores. Tem que mochilar! Conheça as pessoas, suas necessidades, como a Comunicação chega até elas.O que elas querem saber? Como querem saber? O que pensam e quais sugestões podem dar!

3- Não procure uma ferramenta “bala de prata” que resolva tudo de uma só maneira e linguagem. Isso é mito. Analise quais ferramentas funcionam com as pessoas que trabalham com você, que consigam chegar até elas, nos mais variados ambientes. Nem sempre o mais moderno e caro resolve o seu problema. Uma solução mais tradicional e barata, mesmo que aparentemente fora de moda, pode resolver. Novamente, converse com as pessoas.

4- A Comunicação tem ultrapassar as fronteiras dos canais de Comunicação Interna. Treine seus líderes para se tornarem comunicadores. Eles são os principais polinizadores da Cultura Organizacional e conseguem aumentar o alcance da Comunicação corporativa, além de falar a mesma língua dos colaboradores, ou deveria saber!