Kadu Lanches: conheça a história empreendedora de Carlos Eduardo

Carlos Eduardo Canuto, o Kadu, há uma ano abriu sua terceira unidade em Caraguatatuba

Quem nunca comeu um lanche com muitos molhos no Kadu Lanches, em São José dos Campos? Os lanches vocês podem até conhecer, mas poucos conhecem a história do Carlos Eduardo Canuto, o famoso Kadu.

Tudo começou em 1990, quando começou vendendo sanduiches naturais em parceria com um amigo. Carlos Eduardo, o Kadu, estava desempregado havia um ano, após sair de uma instituição financeira em São José dos Campos. Ele ficou famoso entre os estudantes seu maior público na época.

“Era convidado para vender lanches em festas escolares e dai fiquei muito conhecido entre a moçada”, lembra Kadu que aproveitou a “fama” para organizar festas para o público jovem na cidade. “Além dos lanches, também organizávamos festas para dar uma força no orçamento”.

Durante as férias escolares, Kadu não parava. Já que a maioria estava viajando, aproveitava a temporada de verão para descer a serra e vender seus sanduiches no litoral. “Era um jeito de não deixar de vender, mesmo com a maioria viajando. No Litoral rendia mais um dinheiro”, conta ele.

Em 1993, Kadu finalmente juntou dinheiro para comprar seu primeiro trailer e fixou-se na Avenida 9 de julho, na esquina da Receita Federal. Ele nem imaginava que anos depois estaria com três unidades de seu negócio e ampliaria seu leque de produtos.

Atento às novidades, em uma viagem a Florianópolis descobriu os segredos do crepe. “Vim para São José pensando em acrescentá-los no cardápio”. E não deu outra, em 2002, Kadu inaugurava a Creperia do Kadu, no Jardim São Dimas. “Fiz um curso e aprendi a fazer crepes. O segredo é a chapa”, revela.

E a história de empreendedor não para por ai. Em 2010 o trailer da 9 de julho ganhou ponto fixo e no ano passado Kadu expandiu mais uma vez os negócios e inaugurou mais uma unidade, desta vez em Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo.

“Já tinha família na cidade e sempre passei as férias na praia. Neste ano completamos um ano de Kadu Lanches – Caraguá e até agora estamos gostando do resultado”, conta ele que revela também que no litoral o trabalho é diferente. “Aqui o maior movimento é na temporada de verão. Dizem que trabalhamos esses meses para nos mantermos o resto do ano e a maior dificuldade que percebemos é essa: a constância de clientes o ano inteiro”.

Com seis funcionários fixos durante todo o ano e mais quatro durante a temporada, Kadu conseguiu reproduzir o mesmo cardápio, molhos e sabor dos lanches comercializados em São José. “Trazemos as mesmas receitas, o mesmo pão, os mesmos molhos. O único ingrediente “caiçara” é a carne que produzimos o hambúrguer, mas o preparamos na mesma medida e forma da matriz”, conta.

E quem diz que por trás de um grande homem existe uma grande mulher e uma equipe competente, está certo. Kadu não deixou de me contar sobre a força e parceria da esposa Daniela Sanches, que desde o início foi sua maior incentivadora e sobre a gratidão que tem com todos os seus colaboradores. Aqueles que ainda estão com eles e aqueles que já não fazem mais parte do quadro de funcionários.

“Minha esposa está comigo nesta caminhada há 18 anos e sempre me apoiou em tudo. E tive sorte de no caminho encontrar pessoas que acreditavam em mim e colaboradores que me ajudaram a chegar onde estou hoje”, diz ele com um brilho no olhar.

Nota da Vivian Sant’Anna

A história de empreendedores de sucesso da cidade é mesmo fascinante. Quando visitamos um negócio, seja ele um grande empreendimento ou pequeno, nem imaginamos o caminho que o fez chegar até ali. Quais foram os obstáculos que enfrentaram e como tudo começou. Em histórias como a do Kadu temos certeza de uma coisa: não é sorte, é trabalho!.

8 ideias sobre “Kadu Lanches: conheça a história empreendedora de Carlos Eduardo

  1. Conheço sou cliente e fã….Mas eu tenho uma história bem interessante, que eu nunca me esqueci, e acredito que o Cadú vá se lembrar…Em 1992 sofri um acidente de carro em frente a Igreja Sagrada Familia,,,,eu machuquei bastante o rosto, quebrei a clavícula, e me lembro que na época não existia Samú, e nem sei se o Resgate dos bombeiros atendia tal ocorrência,. o Cadú viu o acidente a parou, chegou juntinho com a policia, e me embro que a Frase dele foi, pode deixar que a menina eu socorro,ele nem se preocupou seu eu sujaria seu carro de sangue, nada…ele só queria me ajudar… e me levou rapidamente para o Policlin que era o PS mais próximo, que fez um atendimento perfeito, os pontos em meu rosto foram feitos rapidamente e com perfeição, não ficando nenhuma cicatriz tão aparente…Eu só tenho a agradecer a pessoa Carlos Eduardo, e a única forma de retribuir por aquele socorro tão rápido, e tão gentil foi me tornar sua cliente, e sempre falar aos meus amigos que além de excelente profissional, o Cadú sempre foi um excelente ser humano… Aqui vai o meu obrigado Cadú, por ser este ser humano tão generoso…..

  2. Parabéns meu amigo Kadu , por aqui somos todos clientes assíduos e amigos de longa data .. Dani minha amiga tb .. além dos lanches , festas , participei tb de algumas viagens para oktoberfest organizadas por vc .. Desejamos mais e mais sucesso para vcs !! Grande abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *